quarta-feira, 17 de junho de 2015

Mil Folhas de tudo e nada #3 | A Feira do Livro de Lisboa

Heis o momento porque todos esperavam... o dia em que me vou desbroncar toda sobre os podres de trabalhar na feira do livro de Lisboa. Uahahahahahah
Vá... menos muito menos. Até parece que há assim tanto podre para contar cof cof, mas já lá vamos.
Como sabem, este ano fui trabalhar na Feira do Livro e ohhh boy tenho muito que vos contar sobre esta experiência. Graças a uma amiga, fui contactada pela Civilização Editora para fazer Horas do Conto na Feira. Não estava à espera. Mesmo. E na altura confesso que fiquei até assustada. Especialmente no dia em que recebi cá em casa uma caixa com cerca de 19 livros infantis para estudar e escolher. Na minha cabeça instalou-se o pânico. Ainda que toda a gente me dissesse para eu não stressar, que tudo iria correr bem, eu, por qualquer motivo inexplicável, pensava que iria ser o caos na terra (ou na feira).

Não foi, mas por vezes andou lá perto. Mais uma vez, já lá vamos.
No seguimento do convite para contar histórias na feira, surgiu o convite para trabalhar mesmo no próprio stand da editora, que eu aceitei quase sem hesitar. Afinal de contas é o sonho de qualquer leitor poder trabalhar numa livraria, ou mesmo na feira. Sempre rodeado de livros, sempre perto deles... livros livros livros. Pois lamento destruir os vossos sonhos, mas trabalhar na feira, não é o mar de rosas que todos pensamos.
Quando a feira abre e lá chegam, já têm tudo arrumadinho no sitio prontinho a comprar. Mas quem será que arrumou, etiquetou e organizou tudo para o cliente? Sim... nós. No dia anterior à abertura da feira, bem cedo de manhã, eu e mais uns 500 trabalhadores já andávamos pela feira a trabalhar. Cada um para as suas editoras, que não há cá misturas. Não fui para lá a pensar que ia ser pêra doce. Mas nunca pensei que fosse tão mas tão puxado quanto foi. Foram 7 paletes inteiras com caixas cheias de livros que tivemos de descarregar, conferir, organizar e arrumar nas estantes. Acham fácil? Experimentem ir à vossa estante e fiquem o dia inteiro a tirar os livros do sitio, e a arrumá-los de novo. Repitam. Já sentem as dores? Não? Então experimentem fazer isso com as enciclopédias pesadas das vossas mães. Já estão a sentir?
Foi um dia inteiro naquilo... toda eu era pó, sujidade e cansaço. Cheguei a casa completamente podre! E quem é que diz que no dia seguinte eu me mexia?? As dores no corpo eram tantas mas tantas, que nem vos sei explicar. Especialmente nos braços e nas mãos. Nunca tive dores nos pulsos na minha vida... aliás, eu desconhecia a existência de alguns tendões e músculos no meu corpo. Depois desta feira conheço-me como ninguém.

No final do terceiro dia chorei. A sério... e não tenho vergonha de admitir. Cheguei ao metro e assim que sentei o rabo na cadeira, chorei chorei chorei... tinha tantas dores nos pés e nas pernas. Nunca tinha sentido algo assim. Ainda hoje, passados 2 dias do término da feira, sinto choques num dos pés. Acho que nunca mais vou tornar a ser a mesma.
Ao quarto dia caiu-me um anjo livrólico do céu. A Livrólica Sofia. Trabalhar com quem gosta de livros, os adora e conhece é outra coisa. Sim, faltou referir que no stand estava a trabalhar com dois meninos que percebiam muito pouco, ou mesmo nada de livros. A Sofia foi uma lufada de ar fresco, e a feira não teria sido possível de realizar sem ela. Ou reformulando... eu não teria aguentado se ela não estivesse lá. Foram mais de 8 horas em pé, todos os dias da feira, com pausa apenas para almoçar. Sim, fui fazer xixi sempre que quis... mas se me podia sentar no stand? Podia. Mas e cadeira para o fazer? Não há... portanto. Sempre em pé. Isto acabou por arruinar a minha disposição ao longo da feira. Comecei muito bem e muito bem disposta, cheia de energia apesar das dores. Com o passar dos dias, já me era fisicamente extenuante sorrir para os clientes. O que condicionou a forma como reagi às tantas pessoas que me foram cumprimentar ao stand. E aqui vem o mega pedido de desculpas.
Vocês desse lado foram fantásticos. Perdi a conta à quantidade de pessoas que me reconheceu dos vídeos, do blog, do facebook... à quantidade de elogios, fotos e carinho que recebi. Vocês encheram-me o coração, a sério que sim. Sei que não fiz a festa que alguns podiam estar à espera. Se calhar até ficaram a pensar que eu sou mega antipática. Mas estava tão cansada =(

Tive a oportunidade de estar mais uma vez com a minha querida Jojo, de conhecer a Tânia, do blog Rua de Papel, a Elsa, de rever caras amigas e conhecer tantas outras como a Filipa, Joana, Sofia, Carla, Vera, Tanocas, Luisa, Teresa, Odete, André, Pedro, Jessy, Daniela, Filipa, Andreia, Tita, Milú, Nuno.. enfim... tantos. Gostei particularmente das pessoas que lá chegavam e diziam: olá Neuza.
E eu ficava com uma mega cara de vergonha!!! Ou então a menina, que em frente a outros clientes disse que gostava muito do meu blog! Aiii fiquei um tomate! Acreditem que os vossos elogios me deram motivação extra para me esmerar cada vez mais por estes lados! Dei-me conta pela primeira vez, que tenho fãs LOOOL cof cof. Sim pode parecer super prepotente dizer isto, mas percebi que há muita gente que gosta de mim e das minhas baboseiras! Obrigada a todos e mais uma vez desculpem se a energia não foi a mais positiva deste lado, mas é tão difícil sorrir quando os pés estão a desfazer-se lentamente em caca!
Continuando o relato, se me perguntarem se no geral eu gostei de trabalhar na feira... no geral sim, no especifico não. E não porquê? Não tenho o mínimo jeito para o atendimento ao público. Especialmente para lidar com pessoas mal educadas... essas então. Já me estão a ver não é, com este narizinho mega empinado a sorrir e acenar àqueles clientes parvos que querem ter sempre razão. E olhem que foram muitos. Desde aqueles clientes que acham que na feira temos de ter todos os livros alguma vez publicados pela editora, aos que procuram livros que são de outras editoras, mas estão estupidamente convencidos que os mesmos são nossos (e nem com explicação aceitam esse facto). Acabando naqueles que só no final da venda estar feita pedem factura com contribuinte -_- o que implicava fazer a devolução do livro e o caraças!!! Ahh estava a esquecer-me do melhor. Houve um cliente, bastante conhecido do mundo da televisão, um jornalista vá, que de X's em X's dias aparecia lá sempre com o mesmo esquema. Comprava um livro. Lia, trocava por outro. Eu mereço?
E aqueles clientes que acham que nós conhecemos o catálogo da editora de lés a lés? Mentalizem-se de uma coisa... há pessoas a trabalhar na feira que não gostam de ler ou melhor ainda, que não trabalham para as editoras e por isso, nem sempre são de grande ajuda. Pronto já disse.
Se você que está a ler isto foi atendido por mim e tem alguma reclamação a fazer, utilize a secção de comentários neste post e força nisso.
À pouco falei em xixi... mas já vos falei do estado das casas de banho? É verdade que tive a sorte de ter o stand mega perto da casinha mas xiça. Houve dias em que só o acto de entrar na casa de banho fazia estremecer todos os sensores do meu corpo, tal era a sujidade e o cheiro dentro da mesma. Nhaca! Não deve ser fácil manter aquilo sempre limpinho mas irra... ninguém merece. E o pior ainda está por contar. Não sei se viram (não devem ter visto porque foi num grupo no facebook) mas partilhei antes da feira uma foto da minha lista de compras para o evento. Dela constava apenas uma coisa. Farturas. Andei dias com desejos e vontade de comer uma fartura mega quente e cheia de açúcar. E assim fiz. Comi duas de seguida e outra quando cheguei a casa. Olhem... deu-me uma volta de tal forma à barriga que eu nem sei LOOOL agora imaginem fazer a feira neste estado com aquelas casas de banho e os pés num estado de semelhante dor!
Falando em dores, porque não somos só nós, seres humanos que as sentimos, também os livros passam um mau bocado na feira. Eles sofrem para caraças durante estes dias. Aliás, arrisco-me a dizer... os livros sofrem no geral. Os livros de feira são sujos. Eles vêm nas caixas que estão sujas de pó, eles caem das prateleiras constantemente, eles viajam o país de lés a lés e as pessoas nem têm noção daquilo pelo que passam. E quem é que paga a fava no final? Nós que estamos a atender o cliente que procura o livro perfeito acabado de sair da loja. E eu entendo perfeitamente, atenção que não estou a criticar, eu sou igual. Mas por favor pensem nisso da próxima vez que obrigarem o empregado a tirar 8 exemplares para vocês escolherem o mais perfeito de todos sim... não é culpa nossa.

Ouvi dizer que o dia 10 foi o caos! Foi feriado e o dia do casamento do meu pai. Claro que não fui para a feira. Aquele dia de "descanso", que nunca é de descanso porque se trata de um casamento, ajudou muito. Pude estar sentada grande parte do dia o que ajudou a aguentar os próximos. Mas o que se seguiu foi quase tão mau quanto as dores nos pés. Depois do dia 10, se bem se recordam, a chuva e o frio voltaram. Portanto, depois de dias a trabalhar debaixo de 30 graus, heis que chegam os 18 graus molhados para alegrar a coisa. Claro está que aqui a je apanhou uma constipação de caixão à cova, com direito a febre, tosse, dores de garganta e voz off. O que acabou por coincidir com a visita das livrólicas do Norte à feira. No passado dia 13 houve uma enchente de gente doida na feira. As leitoras do norte =) são fantásticas! Adorei conhecer todas ainda que doente! Não sei se foi a vossa energia, mas do dia 13 para a frente tudo correu melhor... vá... foram só dois dias. Mas vamos falar do dia 13 um cadinho. Desde que a feira começou que eu não vinha à net e nem o meu email eu consultava, o que fez com que eu desconhecesse que ia haver um evento na Editorial Presença, no qual a minha pessoa era esperada =) recebi um convite e tudo... que não vi. Heis que me vêm chamar ao stand para ir rápido à Presença tirar foto de grupo. Chegando lá... tinha uma prenda para mim. Da própria Editora! Recebi um livro! Uauuuuuuuu fiquei completamente histérica, o que é sempre giro de se ver e ouvir quando não se tem voz.
Mais uma vez, muito obrigada Presença pelo carinho, pelo mimo, pela atenção! Vocês são os maiores! Ainda pensei que fossem chocolates para me amaciar a garganta, mas foi bem melhor do que isso. Recebi o novo livro da Donna Tart, que ainda não está nas livrarias. O livro que gosto de apelidar de "O dia em que a piriquita emigrou". Vá nem todos vão perceber este titulo, mas quem esteve na feira vai compreender.
No final desta mega surpresa tiramos uma mega foto. Éramos tantos mas tantos que foi complicado arranjar um cenário que encaixasse todos. Mas lá se conseguiu e este foi o resultado.



Um término de dia absolutamente fantástico. Mais uma vez foi muito bom rever caras amigas e conhecer outras tantas.
O dia seguinte, dia 14, o ultimo dia de feira. Foi dia de muita chuva... o que acabou por afectar em muito o movimento na feira. Choveu a potes! Inclusivei dentro do stand... apenas umas pinguinhas, mas que foram motivo de muita risota. A Sofia teve a ideia de apanhar a chuva com uma caneca! Aiii o que nos rimos com isto!
Foi tão engraçado! Só de me lembrar... aiii.
Enfim... resumindo e baralhando. Gostei de trabalhar na feira pelas pessoas que conheci e com as quais me fui cruzando. No entanto, muitas coisas podiam ter corrido melhor se a editora fosse mais organizada. Lamento... mas o que tem de ser dito tem de ser dito. As horas do conto por exemplo... se tivessem sido mais divulgadas poderiam ter sido um sucesso... assim como foram, apenas aconteceram... e pronto. Foi giro? Foi mnhé sabem... o que foi uma pena porque eu criei imensas expectativas em torno deste momento.
No ultimo dia, assim que saímos do stand, fomos passear uma ultima vez pela feira e pela primeira vez com as nossas amigas! Claro está que estragos foram feitos, livros foram comprados, euros gastos, e muitas risadas dadas. As ultimas horas de feira foram as melhores de todos os dias.


(Estrago e prendas. Que monte querem conhecer primeiro?)

Para terminar, quero falar-vos do dia 15. O dia em que para a generalidade das pessoas, a feira já acabou. Pois desenganem-se... que da mesma forma que os livros foram parar às prateleiras, também tiveram de lá sair. Foi mais fácil, nem se compara. Arrumar livros em caixas é mais simples que a primeira fase. Mas quando nós pensávamos que estávamos dispensadas, heis que surge a ordem para ir descolar o vinil dos contraplacado do stand. Ohh que grande merda! Acho que nunca disse tanta asneira seguida na minha vida como nas horas que se seguiram. Sabem o que é vinil? Aquele autocolante lindo que decora montras e tudo o resto? Experimentem descolar o mesmo com as próprias mãos?

Sabem qual foi o resultado? Não? Pensem lá bem? Váaa eu ajudo.
O resultado foi que todos ficamos com menos duas a três impressões digitais e não estou a exagerar. O vinil arrancou-nos pele, partes de unhas e não nos levou os pêlos dos braços, porque fomos rápidos nos movimentos. Foi horrível! A coisa mais massacrante e estúpida que alguma vez tive de fazer. Sabem quando sentem que o esforço é inútil? Pois este foi o caso... em que passado meia hora de tanto puxar, ainda só se tinha avançado cerca de 50 centímetros, se tanto. Isto foi no dia 15... hoje, dia 17, ainda tenho dores nos braços, peito e mãos do esforço físico. E pronto. Agora é a parte em que me perguntam: mas pagaram-te certo?
Sim, vão-me pagar... mas compensa? Não, não compensa. Não compensa as dores, o cansaço, o sono, o dinheiro gasto em refeições... não compensa. Mas pronto. Foi uma experiência como tantas outras, que não sei se vou querer algum dia repetir.
Por hoje é tudo que acho que já escrevi demais. Muita coisa ficou por dizer, por partilhar, quem sabe não faça um video sobre o tema? =)
Desse lado, contem-me como foi a feira para vocês? O que compraram o que comeram o que fizeram???


11 comentários:

  1. Pois eu queria ir lá dar-te um beijinho também, no dia 3, e os meus putos, fartos de estar à minha espera, arrastaram-me na direção oposta (e depois para fora dali!).
    Também era para lá ir dia 13, estava nos meus planos, mas não falei nisso cá em cas e, quando dei por mim, tinham marcado almoço com os sogros! :P Já não fui.
    Acredito que a FLL tenha sido dolorosa, mas é provável que daqui a uns anos te lembres dela com carinho... pelo menos é o que acontece aos tipos que estiveram na tropa. Passam as passas do Algarve, mas depois falam naquilo a vida toda como se fosse uma experiência indispensável!
    E as melhoras, hã!

    ResponderEliminar
  2. Já tinha respeito por quem trabalha nas feiras do livro, mas depois de ler isto, confesso que aumentou e muito.
    Obrigada Neuza por este retrato tão sincero que me fez muito bem ler.
    Bjinhos e as melhoras minha querida :*

    ResponderEliminar
  3. Eu vi-te lá e achei-te muito simpática, mas envergonhada que só eu não disse nada :p

    ResponderEliminar
  4. Ohhh Neuza após ler isto tudo eu até fiquei cansada só de imaginar o teu estado :(
    Mas vá, já passou e ficou a experiência, mas achei uma piada à parte que falas-te sobre as pessoas que iam lá e reconheciam-te, eu fui lá e chamei-te "olá neuza"e tu ficas-te com a cara "WTF de onde esta me conhece?" xD expliquei-te e ficou bem, mas realmente acredito que seja estranho por isso nem falei muito contigo, afinal estavas a trabalhar e não queria incomodar, mas gostei de te comprimentar, és muito simpática e querida :)

    Mas vá, agora é descansares e apenas pensares nos bons momentos que tiveste :D

    beijinhos

    ps.: faz o video com os estragos e as prendas :D

    ResponderEliminar
  5. uma à parte que esqueci-me: eu tb não sabia que estavas a fazer a hora do conto, se soubesse tinha levado os meus irmãos, mas a civilização não divulgou, a página de face deles não é actualizada e ainda tem a capa do natal, mas que m*** ... eu queria tanto ouvir-te ao vivo e não tive oportunidade pois não foi bem divulgado, que treta -.-

    Agora sim, beijinhos xD

    ResponderEliminar
  6. Olá Neuza! Bem vinda de volta à blogosfera. Tenho a dizer que estas duas semanas foram muito paradas por estes lados, em todos os blogues em geral. O meu também, por acaso...

    Ao ler este teu enorme relato da experiência da feira, lembraste-me o meu relato sobre a minha primeira experiência no restaurante onde trabalho agora. Na altura também publiquei no blogue e acho que até comentaste. E se comigo foi apenas 5 dias (12 horas por dia) e eu já estava para morrer, imagino duas semanas de feira... Mais ainda sujeita à chuva e ao calor. Não te custava a esticar as pernas logo de manhã? Eu tinha tantas dores no corpo e os músculos das pernas estavam tão massacrados que mais pareciam empenados. Só ao longo da manhã normalizava.

    Lá está, são experiências interessantes, mas que dificilmente se tem vontade de repetir. Ganha-se pelo convívio, pela experiência, mas o pouco que se recebe e o cansaço dificilmente compensa. Ainda assim, apesar das dores, do cansaço, das noites mal dormidas, sentia-me satisfeita por ter sido útil em alguma coisa (efeitos de desemprego prolongado...).

    Eu não fui à feira, mais uma vez! Para além da distância, tenho sempre que ponderar o que vou gastar com o carro, mais alimentação e sei lá que mais, e quando vejo que não sobra muito para gastar em livros, deixo de pensar no assunto. Mas fiquei com imensa pena de saber que estavas a trabalhar na feira e que não podia ir conhecer-te, entre outros bloguers que sigo e com quem falo regularmente mas que não conheço pessoalmente. Quem sabe se não é no próximo ano?

    Agora recupera as energias e vai pensando em mostrar-nos essas compras da feira! Estou curiosa :)

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Olá Neuza,

    Das duas vezes que fui nunca te vi lá na Feira. Tive pena.
    Mas eu compreendo-te perfeitamente pois já tive trabalho idênticos e é de morrer! Aproveita agora para descansar.
    Ainda assim fica a experiência. Acredito que vais tirar muita coisa dela.

    Beijinhos garndes

    ResponderEliminar
  8. Bem, que experiência!!!!
    Até fiquei cansada (mas não farta!) de ouvir como foram complicados e cheios os teus dias!
    Mas confesso-te uma coisa: fiquei ruidínha de inveja em relação à "Hora do Conto". É que eu simplesmente adoro ler histórias às crianças e iria adorar essa experiência.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  9. Olá Neuza!
    Tinha ideia que seria cansativo mas nunca pensei que seria tanto. Oh sim, pessoas que não percebem de livros a vende-los yep já apanhei situações dessas e não é nada agradável
    Gostei imenso de te conhecer, mesmo que tenha sido só de "fugida" e de eu estar a destilar com o calor.
    Agora aproveita para descansar.
    Ahh e já vi um dos vídeos... boas aquisições!
    Ahhh essas canecas estavam à venda?? São tão giras!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Depois de ver este post e o teu video dos livritos comprados na feira não sei se vou aguentar esperar até que comece a feira do livro aqui no Porto!

    ResponderEliminar
  11. Olá Neuza:
    Gostei mesmo muito de ler o teu relato enquanto parte integrante da feira e não como visitante... Nós visitantes é só maravilhas e esquecemos muitas vezes que os bastidores também lá estão e contam mais de 90% para que tudo esteja bem para quem visita...

    Tudo o que relataste nada me admira, pois trabalhei 16 anos para e com o público e desde o teres estofo para sorrir a pessoas mal educadas, até acatares ordens surreais da identidade patronal...Acho que me fez ser mais condescendente e ver o outro lado de alguma coisa de maneira diferente... Mas isso agora não conta nada para aqui...

    A situação do tratamento dos livros, também não me apanhou de surpresa, desse que eu vi uma editora a mandar livros para o lixo (reciclagem) que já acredito em tudo...
    Nós leitores "amamos" os livros, os editores só amam o lucro que vem deles...

    E aquela parte dos fãs é mesmo verdade, sabes aquele frio na barriga que nos dá quando conhecemos alguém que estamos habituados a ver só na TV, ou no teu caso, na net? Comigo aconteceu a mesma coisa, quando chamei por ti o meu coração estava a mil e até as palavras custaram a sair... O mesmo se passou com a Vera Brandão e a Carla Isabel... É do tipo: "Meu namorado - Quem era? Eu - Não conheces (admiração, entusiasmo e grito)? É uma das meninas da net que falam de livros... Já posso dizer que conheci uma pessoa famosa..." :P

    Gostei muito de te conhecer, apesar de ter sido pouco tempo, mas eu compreendo e de certeza haverá outras oportunidades...

    Desejo do fundo do meu coração que continues com o teu excelente trabalho, quer aqui blog, youtube ou no face... E, apesar de não ser muito participativa em termos de comentários, acredita que:
    I'm watching you... ;)

    Milhões de Beijokas e tudo de bom... :*
    (Tânia Tanocas)

    ResponderEliminar